MATÉRIA EXCLUSIVA: INQUÉRITO DA MORTE DE ACIMAR SILVA PODERÁ SER REABERTO


Ex-prefeito era ligado tradicionalismo e recebeu homenagens, quando seu cavalo surgiu carregando suas botas, durante o desfile farroupilha. 

Governador Sartori esteve presente no velório de Acimar

Depois da morte trágica do ex-prefeito e ex-deputado Dorival Oliveira em acidente de automóvel em Gravataí, outro fato que marcou a cidade na mesma proporção foi o assassinato do ex-prefeito Acimar Silva, ocorrido há dois anos. Um crime de circunstâncias até hoje nebulosas por ainda deixar dúvidas quanto a sua motivação.

Acimar foi velado no saguão da prefeitura municipal

 

 

No dia 15 de julho de 2015, o ex-prefeito foi surpreendido por três homens que chegaram a sua residência e anunciaram o assalto. Ele entrou em luta corporal e acabou sendo baleado por um dos criminosos. Acimar foi socorrido pelo Samu e levado ao Hospital Dom João Becker, mas não resistiu aos ferimentos. O blog deu a fatídica notícia exclusiva que obteve 39.637 acessos pelo alcance do blog e junto a enorme popularidade de Acimar.

Ao recordar que neste sábado (15) completa-se dois anos da morte de Acimar, buscamos junto às autoridades mais esclarecimentos sobre o desfecho do caso investigado pela Polícia Civil.

Informações exclusivas

Durante o curso da investigação, a Polícia Civil apontou que seis pessoas teriam participado diretamente e indiretamente da morte de Acimar Silva, porém dias após o crime, os policiais divulgaram o retrato falado de três criminosos, que teriam participado diretamente da morte do ex-prefeito. Retrato falado da polícia de Gravataí.

O trio seria responsável por uma série de assaltos a empresários em Porto Alegre. No mês de agosto, em uma ocorrência de assalto na capital, o criminoso preso pelo policiais foi levado para a DP de Gravataí, pois as características eram semelhantes a um dos criminosos responsáveis pela morte do líder político. Testemunhas confirmaram, mas o homem negou a participação na ação. Em outra diligência, a Polícia Civil constatou que a arma utilizada no assalto em Poa era a mesma utilizada no assalto frustrado na casa de Acimar.

Em outubro, a polícia prendeu o segundo suspeito. Esse seria o carteiro, pivô na morte de Acimar. O homem com as roupas dos correios teria entrado em luta corporal com ele, onde disparou o tiro fatal. O criminoso de 30 anos, era morador de Porto Alegre. Um terceiro suspeito chegou a ser detido, mas foi liberado, pois não teria nenhuma ligação com o crime.

No final de 2016, o caso foi remetido ao Ministério Público. Conforme informações exclusivas coletadas pelo blog, o caso foi arquivado com duas pessoas presas e temporariamente encerrado como latrocínio, roubo seguido de morte.

A Polícia aguarda algumas solturas de presos para aprofundar o caso. A qualquer momento o inquérito pode ser reaberto pela 1ªDP de Gravataí. As diligências e prisões do caso de Acimar foram coordenadas pelos delegados Alencar Carraro e Anderson Spier.

Concluo: Na verdade ninguém sabe o motivo pelo qual Acimar foi assassinado. Há informações de bastidores baseadas em algumas teses até folclóricas, e outras mais prováveis. A polícia está tentando elucidar o crime de forma mais convincente e proporcional ao tamanho da repercussão do caso. Seria um crime político ou simplesmente roubo seguido de morte?